Domingo, 11 de Setembro de 2011
Área de Ensaio

Resultados, Análise e Estatísticas

 

 

       Começou o espectáculo. Na passada sexta feira, começou o sétimo Campeonato do Mundo de Rugby, e até agora já assistimos a jogos bem interessantes.

      

       O RWC iniciou com um Nova Zelândia – Tonga, os All Blacks a jogar em casa venceram por 41-10, um resultado que apesar de esperado peca por escasso. A primeira parte foi muito boa, com os homens da casa a traduzirem a sua superioridade em 4 ensaios. Esperava-se que na segunda parte elevassem o marcador, mas passou-se exactamente o contrário, a reacção foi de Tonga que melhorou na defesa e conseguiu um ensaio merecido. A Nova Zelândia acusou um pouco a pressão de jogar perante o seu público, e perante os erros de Tonga, esperava-se um resultado mais dilatado, contudo é também necessário referir que alguns titulares não jogaram, portanto tudo indica que irão melhorar.

     

      

A Nova Zelândia marcou 6 ensaios (4 convertidos) contra 1 de Tonga (convertido), ambas as equipas tiveram uma penalidade, e apenas Tonga converteu. Curiosamente Tonga até teve mais posse de bola e dominou territorialmente. O homem do jogo foi o neozelandês Richard Kahui.

 

       O mundial prosseguiu com um Roménia – Escócia. A primeira parte foi extremamente amorfa, com a Escócia a jogar o mínimo para chegar ao intervalo em vantagem. O problema foi a reacção romena no segundo tempo. A 12 minutos do fim a Roménia ganhava por 24-21, e esteve para acontecer a primeira surpresa do mundial. Mas os Escoceses “decidiram” mostrar todo o seu jogo e em dez minutos marcaram 2 ensaios que desequilibraram o marcador até aos 34-24. Este jogo mostrou como a Roménia evoluiu nos últimos tempos, mas também mostra que a Escócia abordou o jogo de forma displicente e por pouco não pagou caro esse erro.

 

        A Escócia marcou 4 ensaios (1 convertido) contra 2 da Roménia (1 convertido), a Escócia marcou 3 penalidades contra duas da Roménia. A Escócia dominou a posse de bola mas a Roménia dominou territorialmente. O homem do jogo foi o talonador romeno Marius Tincu, que personalizou bem a garra e o esforço romeno.

 

       O terceiro jogo tinha tudo para ser o menos interessante até ai, a Namíbia e as Fiji pouco prometiam. Contudo, foi um dos melhores jogos até agora. A Namíbia conseguiu (enquanto houve força) equilibrar a contenda, sobretudo graças aos drop kick’s de Theuns Kotze (que agradável surpresa). Mas as Fiji conseguiram mostrar uma excelente combinação de velocidade, força e jogo à mão (o verdadeiro ponto forte das Fiji) e o resultado foi crescendo até uns expressivos 49-25. Mas a postura da Namíbia merece destaque, pois é uma selecção que não tem competição frequente e isso pesa bastante.

       As Fiji marcaram 6 ensaios (5 convertidos) contra 2 da Namíbia (nenhum convertido). As Fiji dominaram a posse de bola, e a Namibia dominou territorialmente. O homem do jogo foi Vereniki Goneva, de Fiji, autor de 4 ensaios.

 

       Tudo indicava que a França iria fazer o Japão passar um mau bocado, tamanha a desigualdade entre as equipas. Mas o Japão cresceu imenso nos últimos anos, e existe muita qualidade nos nipónicos. O resultado de 47-21 é muito pesado para o que se passou em campo. Os japoneses jogaram o jogo pelo jogo e chegaram mesmo a assustar os franceses. Mas no final a França impôs-se e não deixou os seus créditos por mãos alheias.

       6 ensaios para a França (2 falhados), 2 para o Japão (1 falhado), 3 penalidades para a França e duas para o Japão fizeram o resultado final. A França dominou a posse e o Japão dominou o território. O homem do jogo foi o “japonês” James Arlidge.

 

       A Argentina e a Inglaterra fecharam o segundo dia, e o jogo tinha tudo para ser muito bom. Acabou por ser muito fechado, com muita luta nos avançados e pouco espectáculo, o resultado final (13-9 para a Inglaterra) espelha isso mesmo. A Argentina apesar da derrota mostrou que os problemas dos últimos jogos estão minimizados. Para a Inglaterra o problema foi o desacerto de Wilkinson (5 pontapés falhados!).

       Apenas um ensaio (convertido) para a Inglaterra, num jogo onde a Argentina teve mais bola mas a Inglaterra teve mais território. O homem do jogo foi o nº8 da Argentina, Juan Martín Lobbe.

 

       O terceiro dia arrancou com a Austrália a defrontar a Itália. Foi um jogo sem grande história. Na primeira parte a Itália conseguiu equilibrar, mas nos segundos 40 minutos, a Austrália fez valer a sua valia e o resultado (32-6) apareceu com naturalidade.

       A Austrália marcou 4 ensaios contra nenhum da Itália. Ambas as equipas converteram uma penalidade. O homem do jogo foi o segunda linha australiano James Horwill, importantíssimo nos alinhamentos, onde a Austrália foi largamente melhor.

 

       A Irlanda defrontou os EUA, num jogo onde a pressão era toda irlandesa. Os homens de verde precisavam de mostrar que os últimos resultados foram “acidentes” e que podem discutir a passagem aos quartos. A vitória irlandesa (22-10) expressa a superioridade dos europeus, mas também a imensa luta que os “Eagles” deram. Lutaram imenso, mostraram como estão fortes e o ensaio a acabar o jogo foi mais que merecido.

       A Irlanda marcou 3 ensaios contra 1 dos EUA, a Irlanda dominou tanto a posse , como o território. O homem do jogo foi o irlandês Paul O’Connell, mas merece destaque também o capitão americano Todd Clever que fez um grande jogo.

 

       O último jogo até agora opôs a África do Sul e o País de Gales. Vitória dos africanos por 17-16 (para mim o melhor jogo até agora). Voltaram a aparecer alguns “fantasmas” dos Springboks. O resultado foi conseguido já no final do jogo, com um ensaio de Francois Hougaard. O Pais de Gales está a jogar a um nível altíssimo, e se tivessem ganho seria justo. A África do Sul tem um longo caminho pela frente.

       2 ensaios para os africanos contra 1 dos europeus. Gales dominou a posse e o território e o homem do jogo foi o Galês Sam Warburton.

 

By Pedro Santos


 

 


 



publicado por Pedro Santos às 16:01
editado por Minuto Zero em 11/11/2011 às 11:16
link do post | comentar

1 a zero:
De Sarah Saint-Maxent a 11 de Setembro de 2011 às 19:21
é uma pena a minha impossibilidade física de ver os jogos. hoje bem pus o despertador para acordar a tempo do jogo - e que jogo perdi!, ao que tudo indica e pude ler em vários resumos - mas o meu corpo não me obedeceu. vamos lá ver se assisto a alguma coisa nos próximos dias.

(um pszinho para mencionar o Richard Kahui, eheh, que apesar de ser suplente e tal e coiso, foi o primeiro que mencionaste aqui. ahah)


De Pedro Santos a 11 de Setembro de 2011 às 20:09
infelizmente tambem nao tenho visto os jogos todos como queria. as horas são pessimas e o tempo disponivel tambem é pouco.

"Richard Kahui, eheh, que apesar de ser suplente e tal e coiso, foi o primeiro que mencionaste aqui" - não percebi.


De Sarah Saint-Maxent a 11 de Setembro de 2011 às 20:42
tens uma memória de passarinho.


De Pedro Santos a 11 de Setembro de 2011 às 20:50
é de levar muita porradinha na cabeça dentro do campo...


Comentar post

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010