Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Minuto Zero

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

Minuto Zero

15
Ago11

Bloco Triplo

Ricardo Norton

Glória aos vencedores, honra aos vencidos

 

As areias de Macedo de Cavaleiros receberam, no passado fim-de-semana, a última etapa do Campeonato Nacional de Voleibol de Praia. Dos três dias de prova, onde se defrontaram as melhores duplas portuguesas, saíram vencedores Ana Freches/Juliana Antunes e Roberto Reis/Kibinho, que revalidaram os seus títulos, tendo cimentando a sua posição como os conjuntos mais fortes no panorama nacional. Foi no moderno complexo da Praia do Azibo que toda a acção se desenrolou, entre os dois campos montados para o efeito e os dois bares, que forneceram a alimentação aos presentes.

 

 

O calor foi uma presença constante durante toda a etapa. Jogadores, treinadores, staff e até o próprio público afluíram em massa ao rio para tentar ao máximo refrescar-se. No entanto, foram notórias quebras de rendimento em alguns jogadores, o que originou algumas descidas do nível de jogo e alguns resultados surpreendentes.

 

Em relação a resultados e à classificação final, considero que foi o reflexo do que se passou em todas as outras etapas. Existe, em Portugal, quer no feminino quer no masculino, uma dupla claramente superior, seguida por um conjunto de duplas que possuem o mínimo de argumentos para as enfrentar.

 

No masculino, há a destacar a supremacia clara de Reis/Kibinho. São de longe a melhor dupla a pisar as areias portuguesas, tendo sido uma constante durante toda a época e merecedores do degrau mais alto do pódio. No entanto, há duplas que possuem nível de jogo para a enfrentar. São os casos de Barros/Silva e Alvar/Moreira, tendo estes últimos derrotado os campeões por 2-1 na fase de grupos. São inteiramente merecedores de uma nota de destaque. Realizaram uma época notável, quer nacional quer internacionalmente, onde se sagraram vencedores de uma competição da CEV na Turquia e ficaram em 9º no Europeu de Sub-23, em Matosinhos. Estão em clara evolução e penso que se afirmarão nos próximos anos. São jovens, têm qualidade e muita margem de evolução, daí a minha confiança. Pelo lado negativo, há a destacar a dupla Pedrosa/Brízida. Apesar dos excelentes jogadores que são e do vastíssimo currículo que possuem ambos, o nível físico e o nível de jogo já não é o melhor. Isto reflectiu-se em algumas quebras ao longo do Campeonato, o que os arredou dos lugares mais altos do pódio, algo a que se tinham proposto no início do ano. Ficaram-se pelo 3ºlugar.

 

No feminino, o domínio é de Antunes/Freches. São, no meu entender, uma dupla muitíssimo coesa, com um nível de jogo elevado. A vasta experiência de Ana Freches juntamente com o talento de Juliana Antunes garantiu à dupla mais uma época de vitórias. Nesta última etapa, mantiveram-se no lugar que já lhes é familiar: o primeiro. Em relação à concorrência, esta cada vez mais é liderada pela dupla Resende/Oliveira. As duas jovens, sob a orientação de Sérgio Casinha, estão a crescer, e prometem afirmar-se nos próximos tempos. Têm um nível de jogo elevado, estando em desenvolvimento constante. É de registar a presença em provas europeias, na Eslovénia. Pelo lado negativo, há a registar o desmembramento da dupla Neto/Alexandre. As vice campeãs europeias de sub-18 e uma dupla que se vinha a afirmar no panorama nacional não compareceu à ultima etapa, tendo alegadamente terminado a parceria. Mariana Filipe não participou, enquanto Joana Neto apresentou-se com a veterana Sandra Castro.

 

Em suma, foi uma boa etapa, onde o título pendeu para os candidatos evidentes. No que toca a provas oficiais, esta foi a última, restando agora alguns torneios particulares. É tempo agora de recarregar baterias para enfrentar mais uma dura época de pavilhão que se avizinha.

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.