Quinta-feira, 17 de Março de 2011
Steve Field
Quando o melhor jogador é um problema

No passado domingo assisti ao jogo do Real Madrid, como faço na maioria dos jogos, para acompanhar a época de Mourinho. Antes de começar o jogo, calculei o que iria acontecer: Real Madrid jogaria bem.
Fonte: Academia-de-talentos.com
Apesar de ter falhado um pouco no prognóstico, o Real não fez uma exibição de encher o olho, notou-se claramente a falta que Cristiano Ronaldo fez à equipa…pela positiva! Passo a explicar. Sem o melhor jogador, (que não concordo em nada que o seja, mas isto sou eu…) viu-se o Real diferente, tal como na semana anterior em Santander, dessa vez com uma boa exibição. Viu-se um Real que jogava para a equipa e não para um jogador.
Tem sido um dos problemas do Real Madrid época. Parece que todos os jogadores assinaram um contracto que dizia ‘tornem o Ronaldo no melhor marcador do campeonato’…bem, isto nem parece de uma equipa do Mourinho que, mais que ninguém, privilegia o colectivo em vez do individual.
Então, posso concluir que, paradoxalmente, o Real joga melhor sem o considerado melhor jogador da equipa e, para alguns, melhor do mundo. (peço desculpa por discordar, mas não entendo mesmo como podem considerar isso). Estranho, não acham?
Pela primeira vez vejo uma equipa de Mourinho a privilegiar o individual. É um motivo para não estar na liderança? Provavelmente não, pela magnífica equipa do Barcelona. Só que o certo é que não se faz sentir este efeito Mourinho na equipa do Real no que toca à força colectiva. Uma decepção para mim, seu fiel seguidor. A meu ver, o Real Madrid pode tornar-se uma ameaça para o todo-poderoso Barcelona se abandonar a obsessão desmedida em tornar Ronaldo no que não é, num fenómeno.

by Steve Grácio


publicado por Minuto Zero às 12:31
link do post | comentar

1 a zero:
De João a 18 de Março de 2011 às 00:48
Ronaldo falhou os jogos contra o Racing e o Hércules, equipas que por exemplo o Sporting de Braga não teria nenhuma dificuldade para bater em casa ou fora.
O Real vive obcecado por Ronaldo. Mas mais do que obcecado não tem outra forma de jogar. Olhamos para o seu plantel e vemos dois jogadores a despontar ainda longe do patamar de referências Mundiais (Khedira e Di Maria), temos Benzema que não passa da liderança duma segunda linha de pontas-de-lança. Depois temos Xabi Alonso que não entra nos 5 melhores médios do Mundo e Ozil que ainda tem de provar se pode ser o futuro astro do futebol mundial. Do meio-campo para a frente o Real para o estatuto que ambiciona ter tem muitas carências. Por isso faz depender o seu futebol de Ronaldo. Sem Ronaldo a equipa perde verticalidade e ganha horizontalidade e sincronização de movimentos mais curtos fruto da emergência da colectivização. Mas ao contrário de Messi, Ronaldo recebe a bola a 40 metros da baliza e procura o jogo. Ronaldo pode fazer um jogo 9 de 1 a 10 e falhar 65% de passes e perder 20 bolas. O papel dele é resolver. É criar, correr, romper e rematar. Nem sempre de forma isolada mas também com triangulações com os companheiros. O Real sem Ronaldo não tem agressividade e imprevisibilidade para sequer intimidar o Barcelona.
No Barcelona Messi passa 80 minutos de jogo a passear pelo relvado em acções inconsequentes, uma desmarcação (um passe perfeito (sim, isto na Argentina não acontece e faz a diferença)), bola colada ao pé drible curto como se a bola fosse mais um membro do seu corpo, finta e golo. Receber uma bola e em arco fazer um grande passe, tudo nos últimos 20 metros. Apanha equipas que defender com uma linha de 6 e outra de 4 e precisa do árbitro para ganhar o jogo. Um ano antes durante 60 minutos perante 10 jogadores a sua equipa só marca um. Dois anos antes precisam de 5 penaltys não assinalados para passar. Se o Barcelona não joga para Messi então como joga? O Barcelona quando não faz a bola chegar ao seu astro Argentino este simplesmente não passa dum jogador como os outros e não resolve nada.
É o Real Madrid que vive órfão de vedetas que deve recusar o individualismo quando o seu maior rival segue ainda mais este diapasão quando nem necessita assim tanto (Afinal o Barcelona (Espanha) foi campeão da Europa e do Mundo)
Nos momentos cruciais da carreira meia-final com o Chelsea (dois jogos), meia-final com o Inter (dois jogos), oitavos-de-final com o Arsenal (desvantagem aos 69 minutos da segunda mão), quartos-de-final do Mundial da Alemanha onde vimos Messi?
Ronaldo esteve desinspirado em 2004 na Final contra a Grécia, em 2009 na Final da Champions e nos quartos e oitavos dos últimos europeu e Mundial.
Mas deu uma final europeia praticamente sozinho ao Manchester em 2008, com idade de júnior foi o melhor ala do Euro 2004 encaminhando-nos historicamente para a final, em 2009 absolutamente arrebatador a partir dos quartos-de-final. Em 2010 só contra o Mundo 7 golos em 5 jogos na Champions. Em 2011 depois de estar lesionado dizima em várias jogadas os defesas do Lyon e renasce o seu colectivismo para fazer renascer o espírito individual de Ozil e Benzema.
Mas a grande diferença é que nos poucos momentos que Ronaldo falhou vimos atitude, esperança e acutilância. Vimos acabar o jogo com o sentimento que deu tudo. Messi quando perde acaba os jogos com uma frescura que lhe permitia ainda jogar mais tempo.
Messi não tem o físico de Ronaldo mas não é assim tão frágil para só poder jogar em 20 metros. E se joga só em 20 metros e os jogadores do Real tem no contrato que Ronaldo seja o melhor marcador então e os do Barcelona? O Villa até foge para as alas mais do que seu apanágio.


De João a 18 de Março de 2011 às 00:49
Mas o Barça persiste neste sistema? Se o Barça persiste e comparar Benzema a Villa, Pedro a Di Maria, Iniesta a Ozil, Xavi a Xabi Alonso, Khedira a Mascherano é uma completa aberração, com superioridade para os catalães. Porque motivo o Real não deve capitalizar o seu fenómeno que caminha a passos largos para melhor de sempre? Porque o Real só ganha com Ronaldo, sem ele nem o Mourinho se atrevia a ir para lá, porque nada faria. No Manchester, o que Nani ou Rooney faziam sem Ronaldo em 2008 e 2009? Ronaldo é o único jogador que pode provar que um jogador faz uma equipa, porque sem ele quer a selecção quer o Real não tem a mínima chance de vencer troféus.


De stevefg_8 a 18 de Março de 2011 às 01:27
TOTALMENTE em desacordo. nao entendo mesmo essa opinião, mas respeito.
nao gosto de discutir por escrito, por isso só vou dizer uma coisa. quando jogava, apesar de nao ser um jogador fenomenal, adorava de apanhar 'ronaldos'. era do mais fácil. nao dar espaço e...puff, nem vê-los, estavam no bolso. Já 'Messis' era do pior, trocavam os olhos todos.
mas pronto, posso ser eu que nao percebo nada disto. Talvez.


Comentar post

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010