Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Minuto Zero

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

Minuto Zero

01
Jul11

Voleibol à Sexta

Sarah Saint-Maxent

Quando a cabeça não tem juízo

 

               A seleção de seniores perdeu ontem, em Tampere, o primeiro jogo da última jornada da fase de grupos da Liga Mundial, pelo que não ultrapassará - mesmo em caso de vitória esta tarde - a Finlândia na classificação do grupo, ficando-se pelo quarto e último lugar.

http://www.fivb.org/Vis2009/Images/GetImage.asmx?No=201110827&maxsize=500

               Naquele que é o grupo mais equilibrado dos quatro, não se pode dizer que seja um resultado bom, sobretudo se pensarmos que a vitória por 3 pontos esteve ao alcance da turma das quinas (que entrou no terceiro set a vencer 22-25 e 16-25), e muita culpa terá «a cabeça» dos jogadores.

               Uma equipa que tem nomes experientes - apesar de não estarem presentes João José e André Lopes - não pode dar-se ao luxo de se ir abaixo e permitir uma vitória na negra, quando tem qualidade e - supostamente - vontade para conquistar a partida em 3 sets. Dir-me-ão que este jogo era a feijões. É certo que nunca teria como resultado uma passagem à fase final da Liga Mundial, mas não deixava de ser importante: os pontos somados no fim desta fase ditam a passagem automática, ou não, à Liga Mundial 2012 - que fica um bocadinho mais difícil.

               A Finlândia, não deixemos de lhe dar crédito, aproveitou de forma inteligente a quebra de rendimento dos portugueses: entrou no 3º set «a matar» e assim se manteve, fazendo com que os adversários acusassem a pressão e, em última análise, conquistando o seu objectivo, a manutenção na próxima Liga.

               Não me parece que, como já por aí li, a falta de João José ou André Lopes tenha feito uma diferença significativa - pelo que vi, os jogadores presentes poderiam ter tratado do assunto e nem para «dar força» estes dois atletas seriam, digo eu, fulcrais (vejam-se os primeiros jogos desta Liga e note-se que, muitas vezes, foi a entrada e incentivo de Hugo Gaspar que permitiu um elevar da confiança de jogadores). Não, em última análise, esta derrota foi culpa da cabeça de cada um dos jogadores: não acreditaram o suficiente e começaram a falhar - mas de forma idiota. Assim não vamos lá.

 

by Sarah Saint-Maxent

Esta crónica foi escrita ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Sarah Saint-Maxent 02.07.2011

    essa organização na receção, em que tu reparaste, não tem nada a ver com o preparar do ataque: de facto, na maioria das vezes (nas seleções, sempre) são os dois pontas e o libero que recebem, independentemente da posição em que estejam (mesmo que estejam em zona de ataque) e, devido a essas mesmas posições, é necessário que os jogadores que estão atrás (o jogador de 1 tem que estar atrás do de 2, o de 6 atrás do de 3 e o de 5 atrás do de 4) se mantenham meeesmo atrás, para não haver falta de formação.
    normalmente são estes três jogadores que recebem pelo simples facto de, à partida, serem melhores nessa acção.
    assim, imediatamente a seguir à bola ser recebida, ocupam todos as posições habituais: valdir, se está atrás, em 1, flávio cruz ou manuel silva em 6 e carlos teixeira em 5 (normalmente é esta a organização). o ponta que não está atrás toma rapidamente o lugar na posição 4, normalmente, para atacar a bola na entrada... (ainda que haja uma rotação em que ataca na saída para não atravessar todo campo de jogo)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.