Quarta-feira, 4 de Maio de 2011
Em Frente

Tratamento de Grande

 

                Dá-me um gosto bastante grande ser do clube que sou. Saber que somos tratados de forma séria e justa (dependendo do adversário) como seria de esperar num desporto que tem como principal slogan “fair-play”. Gosto bastante de árbitros justos e correctos, capazes de manter a fluidez do jogo, mas assumindo o que há a assumir no momento oportuno.

                Dá-me enorme tristeza ver a forma como uns são filhos e outros são enteados. Viver uma modalidade, no meu país, cada vez mais bipolarizada para corresponder aos desejos de algo não tão claro. Não consigo perceber (talvez, até consiga…), como alguns árbitros aplicam as leis exactamente dentro do esperado perante algumas equipas e, para outras, deixam que a anarquia reine, qual selva, qual quê, regendo-se o jogo somente pela lei do mais forte.

                Apelava Carlos Freitas a uma igualdade de critérios para todos. Apelava a que não se fizesse do Sporting o parente pobre dos grandes de Portugal. (Mas que raio de desejo sinistro é este de, sabendo a miséria actual do clube, tentar sempre mantê-lo assim, por meios não necessários…) Isto deixa-me a pensar que talvez o clube adormecido, falido, ou lá como lhe queiram tratar, ainda assusta alguém.

 

                Eu vejo um André Santos bem expulso, mas depois penso e vejo que, por exemplo, um Javi Garcia faz o mesmo ou pior constantemente e, para ver um amarelo, é preciso que quase parta a perna a alguém. Diferença? O primeiro é violento, o segundo é viril e somente joga duro.

                Eu vejo um João Pereira expulso por palavras a um árbitro, quando há bem pouco tempo o Fábio Coentrão teve a trocar carícias com um árbitro, para no final ter tratamento oposto. Mas espera, o árbitro era o Duarte Gomes! O belo do árbitro que depois de levar uma peitada do Belluschi se encolheu e lhe mostrou um tímido cartão amarelo. Diferenças?  “Tá calado pah! Só choradinho! Então não viste que aquilo foi assim porque... (o argumento não chega) … Terceiro lugar toma! (bom argumento) ”

                Num país com elevada crise de valores morais, o futebol tende, como aliás sempre tendeu, a seguir exactamente esse caminho. Descaradamente. Temos um jogador que por tentativa de agressão apanha um mês, quando o treinador que o agrediu apanha 11 dias (remetendo-se o castigo somente para uma altura em que os jogos em disputa para nada já contavam).

                E depois querem falar em justiça? Em corrupção? Falem à vontade! Fala o lá de cima, fala o cá de baixo e eu, que graças a deus sou de um clube que passe ao lado disso (também por culpa própria: somos demasiado transparentes para entrar nesses jogos e termos o nosso nome associado ao que quer que seja) é que abano a cabeça e rezo pelo dia em que se actua seriamente em Portugal. Até lá, circo e pão para quem quiser que isto tem é piada um guarda Abel aqui, um Diabo de Gaia a agredir árbitros ali e a polícia de choque a invadir bancadas em Alvalade.

                Não somos já grandes? Então não nos chateiem.

 

Saudações Leoninas,

by Jorge Sousa



publicado por Jorge Sousa às 23:24
link do post | comentar

1 a zero:
De anonimo a 6 de Maio de 2011 às 21:17
Transparentes? Grandes???


De Jorge Sousa a 6 de Maio de 2011 às 23:43
A carapuça deve ter servido ;)


Comentar post

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010