Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Minuto Zero

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

Minuto Zero

13
Fev11

Porque ao Sábado se Destaca...

João Perfeito
Deixar Legado- Mas que tipo de Legado?

Fonte: Record
No passado mês de Novembro foi aqui neste blog feito um paralelismo entre o Barcelona passado e o Barcelona presente, pelo Tiago Santos.
Confesso que em relação aos jogos de antigamente não tenho conhecimentos tácticos muito elevados. Li a sua crónica e gostei muito da forma como as comparações estão feitas, porque sobretudo fez-me consolidar ainda mais a ideia do Barcelona como conservação estrutural táctica, que dura - anos após anos, após anos.
Voltando ao início do texto do Tiago esta estruturação, ocorre tanto no futebol como na vida. Talvez por isso como o Tiago nos informou produzam 25% da riqueza Espanhola. O Barcelona e a Catalunha no fundo quer no futebol quer na vida assentam pela estrutura, organização, linearidade e coerência perante si mesmos. Na economia ou no futebol. Na produção dum país ou nas formas de fazer golos.
Uma escola de desporto, não só uma escola de futebol. Uma região que tem mais praticante de hóquei em patins federado do que Portugal inteiro. O Barcelona já foi quase 20 vezes campeão europeu de hóquei e já leva 13 campeonatos nacionais consecutivos. A equipa de Andebol ganha muitos campeonatos e está sempre no top da Europa. No basquetebol prima pelo mesmo diapasão. No fundo ver um jogo de hóquei sobretudo do Barça, mas também de andebol ou basquetebol é ver acima de tudo organização, competência e segurança do seu jogo. Vemos máquinas a jogar. Nas jogadas perfeitas que dão cestos perfeitos, nas combinações de Andebol que dão jogadas brilhantes, no puzzle táctico fantástico do hóquei aliado a uma velocidade estonteante e a finalizações perfeitas.
Fundamentalmente nestas modalidades vemos um Barça coerente, fortemente organizado e com uma grande capacidade de inverter a rumo dos acontecimentos. Vemos equipas que sabem jogar a ganhar e manter o resultado e sabem como sem correr riscos alterar o placar quando este lhes é desfavorável.
Daí que o título da crónica do Tiago (assente que nem uma luva). Um mundo à parte no futebol e na vida.
Mas no futebol a história é diferente. Nasceu uma estrutura, nasceu uma táctica, nasceu um enraizamento futebolístico no Barcelona. Uma maneira de jogar diferente de todas, uma equipa que se torna diferente de todas, as outras… Um jogo de futebol com e sem Barça.
Nasceu uma táctica que muitos consideram perfeita. Aliás nasceu o mito do super-barça.
Nasceu aqui o legado de Cruyff. Um legado riquíssimo para toda a gente mas paupérrimo para mim. Um legado duma maneira de estar no futebol, um legado da produção do romantismo do futebol, da produção de talentos, da produção de treinadores carismáticos. No fundo nasceu a maior mentira da história do futebol.
A mentira duma super-equipa. A mentira de talentos como Maradona, Cruyff ou Ronaldinho. Mas mais grave a mentira dum esquema de jogo perfeito.
Não falo de opiniões falo de factos. Na verdade essa super-equipa apenas ganhou 10 Campeonatos em 22 possíveis, ganhou 3 Champions em 22. Esses talentos não tiveram mais de 5 anos de top. Mas são imortalizados. Imortalizados porque fizeram dois anos em grande (Ronaldinho), deram cor a equipa mais sedutora do futebol mundial(Holanda 74), não tiveram mais de 5 anos de auge (Maradona). Talentos camuflados pelos verdadeiros nomes da história do futebol: Péle, Zidane, Beckenbauer, Maldini, Di Stefano, Bobby Charlont. Porque estes são os verdadeiros jogadores aqueles que transformaram o talento em produção, em carreiras ímpares em títulos individuais e em regularidade. Os do Barça viveram de grandes momentos em grandes competições e depois apagaram-se. Os outros porque no fundo tem intrínsecos a eles qualidade, coerência e regularidade. Coisas que nenhum talento do Barça alguma vez teve. Daí que as suas aparições no céu sejam curtas e efémeras. Daí que Cruyff depois tenha abandonado a carreira de treinador, daí que Guardiola esteja receioso em renovar. Porque no fundo e aqui discordo totalmente do Tiago o futebol não vive de seduções, vive de vitórias e o legado é esse. O legado não é a produção de talentos que se perdem, de equipas que não mantêm a regularidade, de treinadores que aparecem e desaparecem. O legado é a manutenção duma linha de vitória. É a construção dum enraizamento táctico transversal a qualquer época, simples e eficaz. Mas o futebol do Barca que todos apaludem não acompanha proporcionalmente os seus títulos porque será? Talvez porque o mais importante é manter o legado, manter esta forma de jogar. Como diz Xavi” Nós damos um legado, ninguém conhece o Inter”.
Esta é a tristeza do desporto e da vida. Somos seduzidos por esquemas que parecem perfeitos. Achamos que a equipa que ganha 5-0 é melhor do que a que ganha por simplesmente 1-0. Seduzimo-nos por golos, grandes jogadas, intensidade, técnica, fintas e esquecemos capacidade de recuperação, capacidade de decidir os ritmos de jogos e fundamentalmente capacidade de ganhar continuamente.
Talvez por isso o futebol do Barça tenha telhados de vidro. Talvez por isso desde que Guardiola é técnico do Barça, o Barça em 33 jogos que começou a perder só recuperou 13. Porque afinal a super-equipa não é assim tão super-equipa quando a ordem natural das coisas se inverte. Esta é a tristeza que o futebol permite para muitos, esta é a minha paixão pelo futebol. Esta é a minha busca incessante por ver equipas porem o autocarro e defenderem quase dentro da baliza e ver como o Barça reage. Porque como gosto de espectáculo e de técnica quero vê-lo em situações de aperto. Quero ver golos de Messi contra o Chelsea, sem serem preciso roubar 4 penaltys, quero ver golos de Messi contra o Inter que mudam uma eliminatória, quero ver Messi fazer algo quando a sua selecção leva 4 da Alemanha. Quero ver Xavi e Iniesta terem 90% de passes em jogos que a a equipa começa perder. Quero ver o Barça a dar espectáculo quando começa a perder, quando perde ou quando empata. Mas o Barcelona joga 95% das vezes bem e ganha, das 5% que joga mal perde ou empata.
Porque se interessa em deixar o seu legado em manter a sua farsa. A dar espectáculo depois dos jogos estarem resolvidos e a iludir biliões de pessoas no mundo inteiro.
Mas para a Histórias, ficam os títulos, ficam a grandeza. As 9 Taças dos Campeões Europeus do Real contra as 3 do Barça. Os 20 campeonatos europeus de hóquei no Barça contra os 3 de futebol.
Mas tal como na Vida a vitória é o nosso sustento é aquilo que nos alicia e nos faz lutar pelos nossos objectivos. No futebol do Barca apenas existe a sedução que quando presa em teia alheia os seus mais fanáticos fãs põe a culpa na forma táctica do futebol de hoje em dia em vez de exigirem a um tal jogador que dizem genial que marque 3 golos quando a equipa começar a perder por dois zero. Mas como vivemos num mundo de ilusões Messis, Cruiffs, Maradonas, Ronaldinhos são os melhores mas ficam a ver os outros ganhar títulos.
Tal como a Espanha ignora a Catalunha que lhes dá 25% da sua economia. Tal como o Real reclama para si o estatuto de melhor clube espanhol, quando o Barça é património Mundial. O Barça do hóquei, do andebol, do basquetebol, tão diferente e tão igual ao mesmo tempo do futebol. Mantêm se a ideia de legado, mas as 3 primeiras modalidades já encontraram um caminho de vitória, o futebol continuará a maravilhar aqueles que se esquecem da essência do futebol.


by João Perfeito