Domingo, 28 de Novembro de 2010
Fogo sem Fumo
Mundial 2018 e operações de charme

É do conhecimento de todos que Portugal e Espanha apresentaram uma candidatura para a organização do Mundial de Futebol de 2018. A proximidade geográfica, a semelhança entre as culturas, a paixão que ambos os povos têm pelo futebol, as qualidades de bom hospitaleiro – como se viu no Euro 2004 e por fim, a excelência de infra-estruturas desportivas que os países ibéricos são motivos mais do que suficientes para que a FIFA escolha a referida candidatura. A opinião que circula nos media é de que a nossa candidatura é uma das favoritas a ganhar a tão desejada organização. No dia de 2 de Dezembro, em Zurique, será anunciada a decisão. Caso se verifique a preferência pela candidatura que envolve Portugal, pelo menos no futebol, será cumprido o sonho do escritor José Saramago – a união ibérica. Contudo, nem tudo são rosas. Que papel terá o nosso país na organização do evento? Seremos um mero acolhedor de jogos pouco interessantes da fase de grupos ou quanto muito de um jogo dos quartos-de-final? É preciso ter cuidado. Estamos a lidar com espanhóis e como diz o ditado “de Espanha nem bons ventos nem bons casamentos”. Este é um ponto prévio. Uniões e candidaturas conjuntas, tudo bem, mas sempre com um olho no burro e com outro no cigano.
Este processo de apresentação de candidaturas não tem sido totalmente transparente, veja-se o célebre caso da compra de votos, como noticiou o jornal britânico Sunday Times. Portugal e Espanha não se viram livres de andar incluídos nos boatos. A FIFA desmentiu tudo. Há ainda uma questão a realçar, é habitual ver os países que se candidatam realizarem operações de charme junto de Joseph Blatter e dos seus amigos. O governo britânico, chefiado por David Cameron, já realizou a sua. Numa visita muito bem “armadilhada” mostrou aos responsáveis da FIFA as características agradáveis do seu país e enalteceu a relação histórica que a Grã-Bretanha tem com o futebol. Ficou bem na fotografia e não aconteceu de condenável. Contudo, há que observar que o governo britânico foi recentemente eleito, pelo que ainda tem algum crédito junto das cúpulas internacionais. E porque é que é necessário destacar tal facto? Pelo simples facto de que José Sócrates e José Luiz Zapatero irão realizar um evento semelhantes para promover a candidatura ibérica. Não me coíbo de questionar, será uma iniciativa que dará frutos, subentenda-se que afirme e candidatura ou simplesmente, o fim de um sonho? Pela credibilidade de ambos os primeiros-ministros junto do Mundo, aposto mais na segunda. Logo agora que estava tudo a correr tão bem. O Reino Unido agradece. 

by Alexandre Poço


publicado por Minuto Zero às 11:53
link do post | comentar

1 a zero:
De Tiago Santos a 29 de Novembro de 2010 às 19:40
Sobre a candidatura a não perder o programa especial de logo à noite..


Comentar post

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010