Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Minuto Zero

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

Minuto Zero

05
Fev11

Porque ao Sábado se destaca...

Colaborador Minuto Zero
Todos nós devemos ter um pouco de “Liedson dentro de nós”


Fonte: bancadasul.blogspot.com

Apito na boca de Bruno Esteves e termina o Sporting-Naval. Mais um empate da turma de Paulo Sérgio ,a contestação cresce e a crise leonina mantêm-se. Mas rapidamente este prolongar de tristeza dá lugar à nostalgia e melancolia de ser este o último momento de Liedson como jogador do Sporting.
O jogo pouco importa, a crise leonina idem. O importante é dar voz a quem fez história. Dar protagonismo a quem o merece. E mais do que ninguém Liedson será eternamente imortal para o Sporting, mas também para o futebol português.
O Estádio levanta-se as lágrimas escorrem as faces dos adeptos, Liedson tenta falar mas a emoção invade-lhe a alma e tira-lhe por breves momentos a razoabilidade. Esta homenagem a Liedson é o reflexo da sua passagem pelo Sporting. Sucesso, determinação e trabalho. Mais do que um grande jogador, mais do que o melhor avançado de sempre do Sporting Liedson marcou uma era no Sporting. Um sucesso demasiado grande para ser escrito num livro, quanto mais numa crónica.
Como benfiquista emociono-me com a despedida de Liedson. O carácter, a determinação e o trabalho dele são transversais a qualquer rivalidade. Porque ele Liedson fez-me comprar hoje o jornal, fez-me pela primeira vez comprar o jornal sem ser por necessitar de informação ou por vitórias do Benfica ou da selecção. Liedson é um símbolo do que o desporto tem de melhor para nos oferecer. Do que o desporto nos pode ensinar, do que o desporto nos forma enquanto cidadãos exemplares.
O Liedson jogador e o Liedson como pessoa quase se confundem e é esta analogia que faz dele um carismático, faz dele um marco histórico no futebol português.
Cada bola que rouba aos defesas adversários reflecte a persistência que teve na sua vida para se tornar imortal. Uma persistência vinda do nada, uma vida onde nada foi fácil, mas soube-se erguer, crescer, lutar e vencer. Tal como quando numa bola aparentemente perdida aparece no interior da área e resolve. A chegada ao futebol profissional tarde reflecte os seus 6 primeiros jogos sem marcar pelo Sporting. Uma vida onde tudo estava determinado para o insucesso mas a vontade de vencer fê-lo contrariar o destino.
No fundo Liedson teve uma vida onde o sacrifico e a dificuldade persistiram. Nada foi fácil, nada foi conquistado sem esforço. Liedson é um exemplo para todos nós. Todos nascemos sem nada e construímos o nosso futuro. Os golos, as horas a trabalhar nos supermercados, as tristezas das derrotas as tristezas de quase não ter dinheiro para ajudar a família tudo passa, tudo é passado. Mas a humildade a vontade de a cada dia acordar para se tornar uma pessoa melhor, a vontade de triunfar contra tudo e contras todos, a vontade de mostrar ao mundo o seu valor ficam, seja no supermercado, seja num relvado de futebol, seja em casa com a família. São estes valores que Liedson nos ensinou. São estas pequenas coisas, são estas pequenas crenças que construíram um sonho dum homem. Que cresceu sem nada, mas um dia olhou para o topo do Mundo e disse que ia chegar lá. Talvez por ter esta confiança Liedson não tenha desistido de se ter tornado profissional de futebol, talvez por este seu acreditar continue com a esperança de representar Portugal. A vida deu-lhe uma bofetada ele levantou-se, trabalhou construiu o seu legado e imortalizou-se.
Trabalhou com o mesmo empenho, com a mesma dedicação, tanto no esforço de deixar de trabalhar no supermercado, como no esforço de trabalhar para o Sporting não conquistando títulos.
Mas a mágoa de não ter sido campeão é insignificante comparado com o tributo que deu ao futebol português.
Liedson fez crescer uma equipa, internacionalizou o Sporting, levou o Sporting à sua segunda melhor prestação europeia de sempre (oitavos-de-final da Champions) e também terceira (sim chegar à final da Taça UEFA é mais importante do que vencer a Taça das Taças). Liedson e Sporting quase se confundiam. Liedson de levezinho só mesmo o corpo. Porque na verdade carregou todo o peso da instituição Sporting, em 8 anos com 25 golos tornou-se o melhor marcador de sempre nas competições europeias, em 8 anos acaba as 8 épocas como melhor marcador da equipa. Ao longo destes anos existiu um Sporting com e sem Liedson. Um Sporting com e sem garra. Um Sporting ferroz e verdadeiramente leonino com Liedson em forma, um Sporting manso com Liedson apagado.
Mas a cada época que começava sem marcar 4 jogos seguidos Liedson de repente respondia com dois ou três bis seguidos. Tal como na sua vida , por cada ano que passou a trabalhar no supermercado Liedson ganhou força e conseguiu tornar-se profissional de futebol.
Sem escalões de formação, apenas aos 23 anos, mas nunca é tarde. Nunca é tarde, para termos um sonho, nunca é tarde para deixarmos de acreditar. Talvez por isso hoje ele seja imortal para o Sporting, o Sporting não será o mesmo sem ele. Mas o futebol português muito menos. Mais do que perder um grande avançado o futebol português perdeu um grande homem. Grande no talento, no carácter e na persistência. Na vontade de sonhar e lutar por uma vida melhor. Pensando sempre primeiro nos outros e só depois nele próprio. Tanto quando jogava em equipa e perdia individualismo, quando abdicava do futebol para lutar em prol da família.
Liedson saí de cabeça erguida, Liedson deixa uma página dourada no futebol português, Liedson deixa um exemplo para todos nós, sejamos benfiquistas, sportinguistas e portistas. E fica a pergunta, mas porque razão não existem mais Liedsons no futebol mas fundamentalmente na vida?

By João Perfeito