Sábado, 25 de Dezembro de 2010
Porque ao Sábado se destaca - Semana Melhores do Ano (2010)
A técnica da força - Nadal

Sem jogos Olímpicos, com um mundial de basquetebol enfraquecido de estrelas, com Phelps e Bolt discretos tais como as modalidades que representam, com intermitência do desporto automóvel, e com uma invulgar incerteza no futebol penso que Nadal não tem concorrência a figura do Ano.
Nadal é um símbolo do desporto. Nadal ao contrário dos outros desportistas não compete com os outros, compete com ele próprio.
Nem Isinbayesa, Kelly Slater, Bolt ou Phelps tem este privilégio. O seu único adversário, é ele próprio, os seus joelhos, porque sem problemas físicos vence tudo e todos e nada o pode parar.
Nadal tem tanto de impulsivo como de calculista, de galvanizador como de paciente, Nadal é a mistura de todas as escolas do desporto.
Ao longo do ano de 2010 provou que é o melhor jogador da história da modalidade.
Com um serviço e um jogo de rede quase tão bom como os melhores de sempre neste capítulo, Nadal deixou de ter falhas. Nadal tornou-se um jogador completo na expoente máxima da palavra. Tornou-se um jogador de espectáculo e frio ao mesmo tempo. Nadal controla o jogo e deixa espelhar nele: a sua vontade, o seu desejo, mas fundamentalmente a sua forma de vida.
Uma forma de vida que tem tanto de talento como de trabalho, porque só assim o seu rendimento pode ser galáctico.
O seu spin de direita é mortífero, a cada bola que o adversário parece que vai fechar o ponto Nadal responde com um contra-ataque que levanta a plateia. Quanto melhor jogas contra Nadal mais hipóteses tens de ser surpreendido. Parece que a bola está perdida, mas existe um buraco, uma trajectória única para a bola passar, e com um deslizamento de pés quase perfeito, o suor escorre-lhe pela cara e a sua mão esquerda tem o condão de fazer milagres, fazer a bola passar por sítios inimagináveis e o ponto é de Nadal. Este foi o Nadal de 2010. Instrasponível, infalível e invencível.
Quando assisti à final do Open dos Estados Unidos, em que vi Djokovic, fazer um esforço sobre-humano, ter uma criatividade fantástica, uma completude não menos eficaz, uma segurança temível, mas não dava mais. Quanto mais abria o ângulo e desequilibrava Nadal, mais este o surpreendia com pancadas de contra-ataque fulminantes. Se estivesse na expectativa, Nadal fuzilava com uma direita paralela sem hipótese. Se quisesse cansar Nadal, este fazia-o percorrer duma ponta a outra do corte até ele falhar. Nadal controlava o ritmo perante um Djokovic arrebatador. Djokovic fez o melhor jogo da sua carreira, com pancadas duma precisão e força nunca antes vista, mas não chegou.
Nadal está para além dos outros jogadores. Nadal é monstruoso na forma como faz cair os adversários, mas um monstro inteligente.
Tem tanto de arrebatador como de paciente, de gladiador como de temperamental. Tanto de “ganas de vencer”, como concentração intrínseca de vitória. Tanto de mostrar ao mundo a sua alegria, como de guardar para si para posteriormente explodir. Não sabemos como ele vai executar, mas sabemos que quase sempre que ajeita o seu cabelo com a mão direita e serve faltam poucos segundo para levantar o seu pé esquerdo, cerrar o punho e olhar para o público e soltar o ânimo que lhe percorre a alma.
Nem Federer pode lutar de igual para igual com Nadal. Porque Federer é um jogador de ténis. Nadal é um desportista do ténis. Federer só podia mesmo ser jogador de ténis, a sua técnica, as suas pancadas são perfeitas.
Nadal não, não precisa de fazer pancadas perfeitas, Nadal paradoxalmente é prejudicado por ser muito bom.
Porque não sabemos se vem um amorti. Um spin cruzado em diagonal curta, ou uma bola fulminante ao longo, a sua completude é tão grande, que apesar de todas as adversidades, um ponto disputado é sempre um ponto para vencer, esteja a bola em que parte do campo e ele com muito ou pouco desequilíbrio. Federer apenas controla os seus movimentos, mas não possui capacidade de resposta, de percorrer o campo duma ponta a outra e levantar uma plateia. Federer é uma máquina a jogar. Nadal é uma máquina humana. Máquina quando recorre aos livros para mostrar o seu ténis. Humana como quando levanta o cotovelo e ataca uma bola como mais ninguém consegue fazer na história do ténis, porque só o seu talento trabalhado é que consegue chegar a patamar tão elevado, um patamar, para além dos outros. Ver Nadal fazer certos spins, é como ver certos livres de Cristiano Ronaldo, lançamentos em desequilibro de Kobe Bryant, saltos de Isinbayeva em que acena ao público e bate o recorde do Mundo, passadas de Bolt ou chegadas de Michael Phelps. Só eles o conseguem fazer, não vale a pena tentar imitar, é mais que humano, é sobrenatural.
Fonte: sraraquete.com
Talvez por isso, Nadal queira ficar na história, ser mais que o número um do Mundo, ele quer sobretudo fazer algo que pensa que nunca mais ninguém conseguirá repetir. Talvez por isso desgaste o seu corpo e acabe com os seus joelhos. Talvez por isso quando acabar a carreira, não vai poder fazer mais desporto, tão arrebentado que apenas ensinará os outros a jogar.
Por isso, por quer ser tão perfeito e eficaz Nadal não consegue ao longo dum ano manter este nível inatingível.
Porque mesmo quando joga mal, consegue ganhar ao contrário dos outros, mas quando o corpo não lhe permite não há nada a fazer.
Porque em termos técnicos, tácticos e físicos não tem concorrência. Porque quanto mais desequilibras o Nadal, maior ângulo lhe dás para ele te responder e tentar fazer o melhor ponto da história do ténis.
O melhor privilégio que como amante do desporto quero ter, é que ele seja tão monstruoso a vencer os adversários, como a manter o seu corpo num estado sem desgaste, porque se assim for, mais 10 ou 11 anos de passeios e glórias, bater um a um todos os recordes de Federer como quem bebe um copo de água. Porque quanto mais Federer joga, mais Nadal responde e se torna melhor.
Nadal vai até onde o seu corpo lhe deixar, porque falando só de Ténis, não vale a pena competir com ele.
Porque o talento do spin se entropia com a inteligência dum amorti e a força duma pancada ao longo e a colação dum serviço aliando ainda uma resistência física fora dos padrões do ténis, uma elasticidade ao nível dum ginasta, uma velocidade estonteante, uns reflexos quase automáticos, uma capacidade de defesa sobre-humana (buscar bolas que já estavam perdidas), uma mentalidade de um líder carismático, um trabalho de um sofredor, uma sacrifício dum mineiro e uma determinação dum revolucionário.
Nadal é o protótipo da perfeição, perfeito de mais, não precisava de tudo isto para poder ser o melhor, e é a sua frustração por nunca se sentir satisfeito, que o faz ir para além dos limites do seu corpo, daí que as suas lesões sejam o seu único adversário.
Até ao fim da carreira o duelo que teremos no Ténis será: inteligência de Naval vs vontade de deixar de ser humano de Nadal. Quando ele perceber que afinal é humano e que não vale a pena forçar tanto o seu corpo, porque não precisa disso para vencer, adeus concorrência, Nadal caminhará numa passadeira gloriosa sem precedentes e sem oposição rumo a um estatuto que quase de certeza jamais alguém poderá igualar.

by João Perfeito 


publicado por Minuto Zero às 10:09
link do post | comentar

1 a zero:
De stevefg_8 a 26 de Dezembro de 2010 às 01:40
são opiniões...mas para mim nem se questiona, Federer é bem melhor! considerar o Nadal como o melhor de sempre é um grande exagero. é bem limitado tecnicamente, faz da sua arma a sua (grande) força. poderá um jogador assim ser considerado melhor de sempre tendo ainda menos de metade dos titulos de Federer?nao me parece..


De Tiago Luís Santos a 26 de Dezembro de 2010 às 10:34
Tambem perfiro o Federer (de longe)... mas Nadal é um fenómeno.. melhor de sempre é que não...
mas o melhor do ano sem dúvida


De João a 26 de Dezembro de 2010 às 18:42
Federer com 24 anos tinha bem menos títulos que Nadal. Em Masters Nadal com menos cinco anos de circuito consegue ter mais que Federer, isto é que é incrível.
Nadal basta manter o seu nível para ser o melhor de sempre. Por isso é que digo que é o melhor de sempre, isto é, expresso uma intuição não uma afirmação. Porque melhor de sempre em qualquer desporto é sempre aquele que ganha mais.


De SSMaxent a 26 de Dezembro de 2010 às 19:32
nadal sem dúvida o melhor do ano, e acho que daqui a alguns anos será tb considerado o melhor de sempre - se não tiver muitas chatices com os joelhos...

uma escolha que eu faria, sem dúvida!


De SSMaxent a 26 de Dezembro de 2010 às 19:36
ainda assim, discordo totalmente do que aqui disseste: «um ponto disputado é sempre um ponto para vencer, esteja a bola em que parte do campo e ele com muito ou pouco desequilíbrio».
acho que a enoorme evolução que nadal teve este ano deveu-se muito a saber quando atacar o adversário e deixar de jogar todos os pontos como match points. isso permite-lhe manter durante mais tempo a frescura física e, sobretudo, surpreender ainda mais o adversário...


De Tiago Luís Santos a 26 de Dezembro de 2010 às 23:59
o melhor em cada desporto é quem ganha mais? hmm discutível ..
vejo o desporto (confesso que não acompanho com a regularidade devida alguns :S)como paixão e desse ponto de vista acho que o resultado é mero acessório... nem sempre aqueles que ganham são quem fica na nossa memória... por exemplo uma das equipas da qual nunca me hei de esquecer, o Arsenal (2003/2004) não ganhou tudo o que havia para ganhar.. mas fica para mim como a melhor das equipas nesse ano


Comentar post

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010