Sexta-feira, 26 de Novembro de 2010
Voleibol à Sexta
Recepção: o primeiro passo para a construção de um bom ataque

Normalmente, começaria esta crónica com o seguinte: «no jogo tal, a equipa tal perdeu um (ou mais) set/ jogo por um motivo, a péssima recepção, que condicionou o passe e, claro o ataque da equipa». Teria muitos exemplos para dar, infelizmente…
Mas esta semana o caminho não é esse. Hoje vou pegar no meu treino, porque de vez em quando um cheirinho (ainda mais) pessoal sabe bem. Esta semana treinei uma equipa de juvenis e juniores de desporto escolar: ao longo de 20 minutos de jogo, vi muitos passes completamente desenquadrados, muitos ataques fracos ou de recurso. Tudo por causa do baixo nível da recepção.
A certa altura, foi-me impossível conter o discurso que ouvi uma e outra vez, enquanto atleta: a recepção é o primeiro passo para a construção de um bom ataque; sem uma boa recepção, «na pinta», o distribuidor terá muito mais dificuldade a fazer o passe e, em última análise, o ataque sairá muitos furos abaixo do que devia.
Não confundamos, por favor!, a recepção com a defesa baixa: no primeiro caso, trata-se do primeiro toque que é dado depois do serviço adversário; a defesa baixa é o gesto que permite manter a bola em jogo depois do ataque adversário. Neste último caso, importante – relembro que estou a falar especificamente de desporto escolar, embora os princípios sejam, de modo geral, os mesmos – é manter a bola em jogo, de forma minimamente jogável. Na recepção, é fundamental que a bola esteja muito bem posicionada, para que o distribuidor tenha todas as opções de ataque à sua disposição: uma bola que não esteja no sítio certo «queima», à partida, o ataque do central, e acaba por ser, 80%, distribuída para o ataque do jogador de entradas (zona 4).
É claro que um distribuidor de grande qualidade acaba por conseguir colocar a bola para o ataque onde bem entender, mas metade da acção de defesa da equipa adversária fica facilitada: o bloco, a defesa alta. Para quem não está muito por dentro do assunto, talvez não seja muito óbvio que o voleibol é um jogo que vive muito da previsão do ataque do adversário. De onde vem esta bola, da entrada, da saída, do meio? Vai ser atacada à linha, na grande diagonal? Será um ataque em força ou um amortie? Esta previsão – alguns jogadores são brilhantes a decifrar as acções do adversário – depende imenso da leitura que se faz da posição dos jogadores. E voltamos, portanto, à questão da recepção: um distribuidor que está em desequilíbrio dificilmente faz um passe para as costas; a posição do corpo e do braço do atacante diz-nos que vai atacar desta forma, para aquele local.
Fonte: sítio Ataque e Defesa
Quanto melhor for a recepção, mais difícil é para o bloco «ler» o jogo de ataque. Uma boa recepção permite que os jogadores só no último momento se desloquem e, em última análise, isto pode querer dizer que o central já não chegará a tempo de formar bloco juntamente com o ponta: torna-se uma situação de um para um, em que o atacante tem uma enorme vantagem face ao blocador.
Por tudo isto – e mais umas quantas razões que dariam facilmente outra crónica – nunca é demais insistir em trabalhar a recepção, porque sem um primeiro toque exemplar dificilmente uma equipa consegue ter um ataque potente e eficaz.

by Sarah Pires Saint-Maxent



publicado por Minuto Zero às 12:23
link do post | comentar

1 a zero:
De stevefg_8 a 26 de Novembro de 2010 às 14:29
Como disse no post do óscar, vocês são essenciais neste blog para incutir a variedade. bom post ;)


De SSMaxent a 26 de Novembro de 2010 às 22:52
obrigada.
se quiseres deixar sugestões sobre questões que gostarias de ver abordadas, dentro da temática do voleibol, força nisso! :)


De stevefg_8 a 27 de Novembro de 2010 às 12:30
por acaso, aproveitando o que disseste, sempre tive curiosidade em perceber porque um jogador de cada equipa, pelo que me apercebo o mais pequeno, tem uma camisola diferente dos restantes. se quiseres abordar isso, agradecia ;)


De SSMaxent a 27 de Novembro de 2010 às 20:06
o libero? tudo bem, considera-o feito! ;)


De stevefg_8 a 28 de Novembro de 2010 às 01:25
penso que seja..nao costumo acompanhar muito volei,só alguns jogos na fase decisiva,mas acho que só um tem a camisola diferente (certo?), e penso que sim,que se denomina de líbero ;)


De Tiago Santos a 29 de Novembro de 2010 às 19:44
Confesso que não percebo nada de volei.. mas acho que os teus posts são optimos para pessoas como eu :) continua!


Comentar post

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010