Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Minuto Zero

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

Minuto Zero

22
Out10

Mas que Porto é este que tanto ganha?

Minuto Zero
Ano novo vida nova. Uma expressão que se coaduna perfeitamente com os hábitos de gestão dos clubes portugueses.
Ou melhor .... temporada nova, treinador novo. Que felizes que somos quando alguém de novo chega, com uma nova imagem, diferente da cara anterior, que entretanto saí "arremessada" pela porta das traseiras, pensando para si próprio que não vale a pena chorar... afinal o seu sucessor (a não ser que ocorra um milagre... lembro-me de poucos sinceramente) irá poucos meses (ou semanas conforme as turbulências...) depois sair pelo mesmo lugar.

Foi talvez, digo eu, o que sentiu Jesualdo Ferreira, saindo pelas traseiras do F.C. Porto e do futebol nacional, encaminhando-se apressadamente para Málaga, em busca da felicidade.

Deixando agora este país à beira-mar plantado (e com vontade de por lá ficar....) passe-mos ao que importa realmente. Falemos de Futebol.

André Vilas Boas trouxe para o F.C.Porto uma nova forma de encarar o jogo. Com um plantel de qualidade, com soluções, mas também com algumas lacunas, reformulou a ideia de jogo que durava desde o inicio do postulado de Jesualdo Ferreira, aproveitando é claro, o trabalho do seu antecessor, mas procurando incutir na equipa o seu cunho pessoal.

Na base, um 4x3x3, praticamente com a mesma equipa-tipo de Jesualdo, que muda sobretudo na forma como entende o jogo.
Tendo em linha de conta que na maioria dos jogos terá de ser a sua equipa a assumir as despesas da partida, André Vilas Boas, desenha em campo uma equipa atrevida, com capacidade não só para jogar em transições rápidas (algo trabalhado sistematicamente na "era" Jesualdo, mas também com capacidade para "gerir os momentos do jogo", isto é, saber quando acelerar, e sobretudo quando travar, ou desacelerar... estranho? Não seria o ideal jogar sempre a 100 à hora? Seria, mas isso não é de todo possível, e por isso à que entender os 90' como um todo no qual existem diferentes momentos.
Na base de todas as mudanças uma reformulação do meio-campo, com 2 dados novos que garantem uma nova forma de encarar o jogo: a chegada de Moutinho, mas sobretudo a sua instituição como médio centro, preocupado em equilibrar a equipa, dominando o espaço com agressividade, queimando linhas a defender, criando outras a atacar, impondo-se (finalmente) como um jogador com posição fixada no terreno de jogo. Com uma casa táctica à qual possa chamar de sua, Moutinho encontra-se como jogador, dando à equipa o equilíbrio que ela lhe pede; Em segundo lugar, a "reciclagem" de Belluschi, jogador habituado a jogar nas costas dos avançados, sem rotinas defensivas, que passou a ser um jogador muito mais voluntarioso para com a equipa, jogando agora como interior (com maior vocação ofensiva é certo) no 3 (1x2) do meio campo azul e branco.
Com Vilas Boas, o Porto pressiona normalmente em zonas mais adiantadas, não permitindo o adversário respirar. O momento defensivo inicia-se logo após a perca de bola, com o pressing dos avançados (Hulk, Falcão e Varela), na busca de uma rápida recuperação. Nesta lógica, é essencial que os médios dominem na perfeição os momentos de transição, tanto defensiva como ofensiva, o que é garantido por Fernado-Moutinho-Belluschi, cada um com suas características é claro, mas sempre em nome de um padrão de jogo definido.
Se no meio-campo os equilíbrios estão cada vez mais garantidos, libertando-se para o ataque o "novo dragão" joga tanto em velocidade cruzeiro, como contemporizando, em troca de bola. Belluschi veio dar à equipa capacidade de passe... Varela e Falcão em movimentos constantes colocam o avançado em sentido... mas a verdade é que tudo muda nos pés de Hulk. Talvez o jogador com maior potencial a jogar na nossa liga, Hulk vive do momento, da explosão, arrancadas furiosas mas cada vez mais objectivas. Vive na direita do ataque, em diagonais procura o 1x1, e depois o remate... potencia, força, técnica, aliadas a um potencial físico avassalador...  na Turquia frente ao Besiktas, reduzido a 10, o Porto soube o que tinha de fazer para ganhar a partida... colocar o jogo bem ao jeito de Hulk, transição rápida, quase directa, de forma a este receber de frente para os defesas adversários... resultado? 13 vitória do Porto esta temporada (em 14 jogos!!!), 3 bolas a uma mesmo jogando com menos uma unidade... 2 golos de Hulk.
Se à uns tempos parecia que o seu irreverente talento fugia um pouco do próprio jogo, tendo Hulk de deixar de viver somente de movimentos com bola, aprendendo a jogar sem ela, com o passar do tempo (e dos jogos... e treinos) aproxima-se cada vez mais do seu lugar no futebol... os já "verdes de inveja" grandes europeus que o vêem como um jogador apetecível.

A grande dúvida em relação a este Porto prende-se com aquilo que terá feito o Benfica perder com Shalke 04 e Lyon: até que ponto a equipa está preparada para um desafio de exigências tácticas maiores, com adversários de maior qualidade e com culturas futebolísticas diferentes.

Resta esperar para ver... este monstro crescer!

fonte: inbedwithmaradona.com
By Tiago Luís Santos