Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Minuto Zero

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

Minuto Zero

02
Mar11

Buzzer-Beater

Minuto Zero

Deadline e Redline

                Esta semana apetece-me falar de dois assuntos. Não porque não pudesse falar de um deles para a semana, mas porque me parece pertinente relacioná-los. A passada semana viu chegar ao fim o período de trocas de atletas entre equipas da NBA para a presente época. A actual época tem também visto a minha equipa favorita, os Detroit Pistons, a caírem num abismo inglório para aquela que já foi a equipa que conseguiu conter Michael Jordan no seu início de carreira.
                Mas o que têm os dois a ver, perguntam-se vocês? Permitam-me que vos explique.
                A nível das trocas, o melhor jogador a ser badalado nas conversações mudou de equipa, e até de conferência: Carmelo Anthony, estrela dos Denver Nuggets, foi trocado para os New York Knicks. A saída estava há muito anunciada, mas não se tinha a certeza para onde. Demasiados rumores depois, Carmelo foi para a equipa que desejou.
fonte: detroitbasketball.net
Outro acontecimento: Deron Williams, base excepcional dos Utah Jazz foi trocado em cima da hora para os New Jersey Nets (que andavam a tentar arranjar Anthony). Esta aconteceu nenhuns rumores depois, portanto foi uma grande surpresa para todos. E deixem-me só dar mais um exemplo: Kendrick Perkins, não exactamente uma estrela nos Boston Celtics mas uma peça essencial do seu 5 inicial na posição de poste (que garantia jogos mais cómodos contra, digo eu, Orlando e o seu colosso Dwight Howard?), bem como Nate Robinson, base suplente, foram trocados, também do nada, por Jeff Green e Nenad Kristic dos Oklahoma City Thunder. Green era o terceiro jogador nos Thunder, e grande promessa de futuro, mas algo inconsistente. E Boston estava artilhado para ganhar um título este ano com a presente equipa, o que provavelmente não poderá acontecer para o ano, devido à idade avançada dos principais jogadores.
Agora deixem-me dar o segundo exemplo. Os Detroit Pistons estão mal. Muito mal. Claro, podem não estar em penúltimo lugar como os Washington Wizards, mas esses ao menos vão ter boas hipóteses de ter um grande jogador no draft da próxima época. Detroit vai-se aguentando acima da linha de água e não passa do mesmo, vagamente sem ir aos Playoffs. Na semana passada uma série de jogadores como Richard Hamilton, Tayshaun Prince (ambos da equipa que ganhou o campeonato em 2004) e outros tantos faltaram a um treino, em protesto com o treinador. Hamilton esteve o mês de Janeiro sentado no banco, sem jogar. E até teve uma oportunidade de sair para Cleveland e ser alvo de um “buyout” (ser trocado e alguém comprar o seu restante contrato para poder estar disponível para qualquer equipa que o quisesse para um esticão ao campeonato, sei lá…Chicago para ficarem perfeitos?) mas recusou. E o proprietário de Detroit morreu há uns meses e a equipa ainda não foi vendida, portanto não há autorização para gastar muito dinheiro. E Joe Dumars, o manager da questão (pensem num director desportivo com muito mais poderes), tem tomado algumas más decisões que contribuíram para o mau estar da equipa.
E agora, que tirar disto tudo? Simples: de um lado, jogadores (Anthony) que levam a sua avante e conseguem mudar-se para cidades maiores, com mais dimensão de mercado e mais oportunidades com outras estrelas do desporto, de outro, equipas assustadas com proezas “à Lebron James” (que deixou os Cleveland Cavaliers quase a apodrecer ao sair sem aviso) que se precipitam em ganhar alguma coisa com jogadores que podem não re-assinar contractos no final da época (Perkins e Williams). E ainda há um terceiro lado: equipas como Detroit, que no meio de uma crise económica, e também da NBA, não conseguem encontrar um caminho de futuro, muito obstruído por questões financeiras.
E a razão de tudo isto? A incerteza. O acordo colectivo de jogadores e proprietários tarda em chegar, e o medo aumenta. Empregos estão em risco. E não porque os jogadores tenham medo de perder os seus salários milionários ou porque os proprietários não querem abrir os cordões à (grande) bolsa, mas porque o desporto perde muito com isso, e é isso que deve estar em causa. Andem para a frente com o basquetebol, e não deixem que o desporto se perca em questões exteriores, que cada vez o são menos.

by Óscar Morgado

4 comentários

Comentar post