Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Minuto Zero

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

A Semana Desportiva, minuto a minuto!

Minuto Zero

09
Out10

Mais do que um jogo, ganhar uma equipa

Minuto Zero
O futebol é mais do que um jogo de 11 pedras contra outras 11. Que importa se um treinador é genial e a sua forma de jogar é a ideia perfeita? Se o seu adversário por muito desorganizado que seja tenha jogadores de muito mais qualidade? A resposta vale tanto para o futebol como para outros desportos. Nada que os treinadores possam fazer pode influenciar mais o rumo do jogo do que os próprios jogadores. São eles quem decide dentro de campo; são eles quem executam; quanto ao treinador... bem resta-lhe tentar organizar os artistas, fazê-los trabalhar da forma mais correcta para que desenvolvam a sua arte.

Local: Estádio do Dragão 
Jogo: Portugal-Dinamarca, Apuramento para o Campeonato Europeu de 2012
Resultado: 3-1 

Mais do que um jogo e 3 pontos (míseros se pensarmos que valem tanto contra a Dinamarca como contra Malta), o que deve ser ressalvado é o ponto de viragem mental.
Depois do conturbado mundial e de tudo que o sucedeu- não que não seja importante, mas porque é tão, e desculpem o termo, "ridículo", que nem vou perder o meu tempo a relembrar- após o mesmo, tornava-se essencial, mais do que ganhar o jogo ganhar uma equipa. 

O empate contra Malta e derrota contra Noruega, foram a "machadada" final num "projecto", e talvez, se é que faz sentido falar desta forma, iniciar um novo ciclo como muitos gostam de dizer. 

A resposta a esta vitória é tão portuguesa quanto tudo o que a precede: de uma selecção totalmente desacreditada, uma geração "problemática", que "não merece o que ganha", tudo muda.
Mais do que ganhar o jogo a selecção conquista o seu público, devolve a esperança, tem um novo treinador- como nós portugueses somos felizes ao ver um novo treinador suceder a um outro, seja lá quem for, não importa, é novo e é melhor porque o anterior já "não prestava", apesar de à bem pouco tempo este mesmo ter passado pela mesma situação e ser na altura "o melhor", hipocrisia pura, contra mim falo (!!!)- de repente está ... tudo bem ! E ainda bem !

Mas como prefiro de falar de futebol ao nível da relva, vamos lá ao que importa:

Mais do que ganhar o jogo, Portugal ganha uma equipa, motivação e uma nova atitude.
Olhando para o onze nacional, é possível identificar aquilo que será a "espinha-dorsal" da nossa selecção para os próximos tempos: 

Eduardo, volta ás boas exibições, não é um prodígio, mas dá à equipa a confiança que ela necessita; seguro e mentalmente fortíssimo, pauta-se pela mentalidade trabalhadora, o melhor-guarda redes português na actualidade.
No banco, Patrício afigura-se como a grande esperança para o futuro, é jovem, tem pelo menos mais 15 anos de futebol ao mais alto nível pela frente e muito para evoluir; Beto aparece neste momento como 2ª opção. Temos ainda o "suplente de alto rendimento" Hilário, e Daniel Fernandes, titular no Panathinaikos depois da presença do mundial, jovem com boa margem para progredir.

Na lateral direita um dilema: João Pereira cometeu vários erros no jogo contra a Dinamarca, foi talvez a exibição menos conseguida do lado português... deixa alguma reticências. Sílvio está a evoluir bem, esperemos para ver, tem ainda do seu lado o facto de poder ser opção para a esquerda.
Há ainda Nelson (Osasuna) ou M. Lopes (Bétis) como soluções de recurso.
As dúvidas devem ficar desfeitas com o regresso de Bosingwa, lesionado desta parte à muito tempo, sem dúvida um jogador de Top.

No eixo da defesa as opções são muitas e de grande qualidade. Pepe e Ricardo Carvalho formam a nova dupla de centrais do Real Madrid, Bruno Alves espreita uma oportunidade para se intrometer. Depois Rolando, Carriço ou Ricardo Costa (títular no Valência).

Na esquerda, Coentrão foi a grande "notícia" para a selecção, aponta para se tornar um jogador de Top, de grande europeu. Como segundas hipóteses Antunes, Peixoto ou Emídio Rafael.. todos eles sem nível por enquanto para aquilo a que Portugal se propõe.

No meio campo a grande questão: tendo em conta o 4x3x3 como formação ídeal, tendo em conta as características dos nossos jogadores o problema será como os conciliar. Vendo o jogo com a Dinamarca, dois jogadores mostram que têm de ser indiscutíveis: Moutinho e Raul Meireles.
No caso do primeiro, parece estar no Porto a explodir para um nível superior, jogando como interior, equilibra a equipa nas transições; Meireles aparece no "primeiro" jogo da era Paulo Bento como pivô-defensivo, no Liverpool aparece como 10, á frente de Gerrard e Poulsen, mas onde parece render mais é como interior... seja como for deve ser titular. 
Depois existem os "outros": Pedro Mendes, o melhor pivô-defensivo português na actualidade, M.Veloso, pode aparecer como lateral-esquerdo, como pivô poderia ser o pendulo de uma forma de jogar diferente, não defende tão bem como Mendes, mas tem características raras que fazem dele um "regista" recuado, veremos se explode em Itália; Manuel Fernandes aparece muito bem neste inicio de época em Espanha; para a posição de Deco, como organizador sobretudo do processo ofensivo, Carlos Martins e Rubén Micael parecem os melhor colocados, resta ver como vão "crescer" esta época; Tiago surge como uma opção interessante mas nunca com as mesmas características de Deco, um interior mais forte nas transições ofensivas. Ainda alguns nomes a não esquecer: Paulo Machado, Rúben Amorim, Maniche, Castro, Vítor Gomes, André Santos.... 

No ataque muita qualidade para as faixas: Com Nani e Ronaldo na "pole", Varela, Danny, Quaresma.... e à atenção de Paulo Bento, Ukra, Bebé, Vieirinha, Djálo, Targino, João Ribeiro, João Aurélio, Salomão... 

No eixo de ataque mais dúvidas: Liedson surge mal neste iníco de época; Hugo Almeida revela dificuldades, fugindo um pouco à lógica da forma como joga a selecção, mais forte fisicamente, jogador de área; depois uma panóplia de opções de qualidade "dúvidosa": Postiga, Makukula ou o "desaparecido" Váz Tê. E ainda uma série de promessas... Orlando Sá, Yazalde ou João Silva.

By Tiago Santos

ERRATA: O jogador cabo-verdiano referenciado é interncional A pelo seu país e por isso mesmo não é passível de ser seleccionado. Fica o reparo e pedido de desculpa.