1 a zero:
De Sarah Saint-Maxent a 3 de Abril de 2012 às 14:36
não vi os jogos de tóquio, mas fui acompanhado o feedback: é de realçar que, mais ainda que os resultados alcançados e as prestações em campo, começa a dar-se visibilidade aos sevens... (que apesar de serem uma seca comparados com XV, também merecem)
isso acabará por ter sem dúvida efeitos positivos para a modalidade, nem que seja ao nível de qualquer tipo de 'campeonato português', não achas?


De Pedro Santos a 3 de Abril de 2012 às 17:14
a visibilidade vem sobretudo das boas prestações, que mais que os resultados têm mostrado que estamos ao nível dos melhores.

os sevens não são mais aborrecidos que o XV, pelo contrário, são uma variante mais dinâmica e rápida, com mais espectáculo dentro e fora do campo. Não foi por qualquer motivo que se escolheu os sevens como modalidade olímpica: é mais fácil cativar pessoas através do sevens, do que em XV.

Os efeitos desta visibilidade são pouco claros, aliás tudo o que diz respeito aos órgãos dirigentes do rugby português é de desconfiar.

Numa situação fantasiosa, o melhor era existir um campeonato de sevens a decorrer paralelamente ao de XV, com jogadores distintos em cada modalidade.

mas se não há campos, não há treinadores e directores, não há conhecimentos da variante generalizados e não há vontade como é possível pensar num campeonato de sevens?

Se nem um campeonato de XV conseguimos organizar com um nível competitivo elevado, como podemos esperar que algo aconteça nos sevens?

Parece que vamos continuar a ter o nosso campeonatozinho de sevens no final da época, quando já muitos estão de férias, outros estão cansado e toda a gente leva isto como uma brincadeira.


Comentar post