Terça-feira, 3 de Janeiro de 2012
Futmania: Mourinho vs Barcelona

 

 

 Estamos de final de 2011, depois de um ano e meio em Madrid Mourinho comanda a melhor equipa desde que é treinador. É uma miragem ver este Real perder pontos, as goleadas têm-se tornado rotina semanal, e a equipa pratica um excelente futebol. Há no entanto um pequeno senão, para os lados de Barcelona existe um equipa de extraterrestres que atropela qualquer adversário, é daqueles conjuntos que já marcou o seu lugar na história, secundarizando completamente o emblema da capital (tanto em títulos como em confrontos directos).

 O Real Madrid ganha a todos e perde com o Barcelona, não há meio do "special one" inverter a tendência negativa. O último confronto foi um grande exemplo deste "complexo" de Mourinho contra os Blaugrana, depois de uma série imparável de 15 vitórias consecutivas e um golo marcado aos 30 segundos de jogo, o Real saiu vergando do Barnabéu por 1-3. Este jogo foi a confirmação de algo sobre o qual o português terá de reflectir: a táctica a utilizar nos jogos contra o grande rival.

 Exceptuando as partidas da Supertaça (que por serem no inicio da época são partidas diferentes) o técnico efectuou pelos madrilenos 6 encontros contra o rival histórico- 4 derrotas, 1 empate e 1 vitória é este o saldo. Vejamos agora qual forma como Mourinho optou por jogar nestes 6 jogos.


-Nos 5-0 o técnico ainda estava "verde" (era o seu primeiro grande clássico espanhol), decidiu jogar da mesma forma que vinha jogando contra as outras equipas, 4 homens de ataque e 2 centro-campistas a "aguentar" o jogo. Foram os 90 minutos mais penosos da carreira do português.

-Na segunda volta Mourinho reservou uma surpresa, tirou o criativo (Ozil) e subiu Pepe para trinco, com mais um homem de pressão no meio campo os Blancos estiveram mais seguros e realizaram uma boa partida (1-1).

-No encontro seguinte jogava-se a final da Taça do Rei, a estratégia foi a mesma da partida anterior, deu outra vez resultado e o Real ganhou o troféu (1-0).

-4º confronto, 1º mão da meia final da Champions no Barnabéu, o meio campo continuou composto por 3 homens e os madrilenos iam tranquilamente no terceiro clássico sem perder, até que o senhor Wolfgang Stark decidiu expulsar Pepe num lance inexistente. Com mais um os catalães não perdoaram e ganharam por 2 golos na casa do adversário.

-Para a 2º mão com Pepe castigado e a precisar da vitória o técnico voltou a apostar num criativo em vez do trinco, a partida esteve dividida mas o 1-1 final afastou os Merengues da final.

-Há 3 semanas veio o balde de água fria, vindo da série histórica de vitórias consecutivas o Real apresentou-se no Barnabéu como grande favorito, tal como na partida de há um ano a equipa entrou em campo bastante ofensiva com os 4 suspeitos do costume no ataque, não conseguiu controlar o meio campo catalão e acabou derrotada em casa.


 Moral da história, Mourinho tem de perceber que montou uma estratégia que funciona com 99.99% das equipas do globo, mas não funciona contra o Barcelona. Contra os Blaugrana toda a táctica e identidade de jogo têm de ser radicalmente alteradas, para conseguirem um encontro equilibrado os Merengues têm de jogar em contra-ataque (seja em casa ou fora), pois essa é a única maneira de controlar minimamente a posse de bola adversária e diminuir os espaços entre linhas da defesa e do meio campo.

 Os 3 jogos no qual Pepe foi utilizado a trinco, foram de longe os mais conseguidos. Com 3 homens no centro do campo Mourinho dá maior capacidade de pressão a esta zona, o luso-brasileiro preocupa-se exclusivamente em pressionar o portador da bola dando à equipa uma maior capacidade de recuperação da posse- apesar dos níveis de posse do Real continuarem bastante baixos, Pepe torna a posse de bola do Barcelona mais inconsequente. Alonso ganha liberdade para funções um pouco mais atacantes e é responsável por servir os 3 da frente, que com a velocidade e capacidade técnica conseguem decidir a partida de um momento para o outro.

 É feio jogar defensivo, é complicado subordinar-se ao maior rival, e é estranho um clube desta dimensão ter 8 jogadores atrás da linha do meio campo. mas só desta forma é possivel maximizar as possibilidades de sucesso contra uma equipa extratosférica.



publicado por nunotexas às 20:22
link do post | comentar

1 a zero:
De Steve Grácio a 8 de Janeiro de 2012 às 22:48
Nao querendo contrariar, porque cada um tem as suas maneiras de ver futebol, o Espanhol hoje, na minha opinião, contrariou o teu artigo. o segredo do empate foi o mesmo que Mourunho utilizou na taça do Rei e no Inter 3-1 Barcelona. O segredo foi asfixiar o meio campo catalão. o Espanhol é bem inferior ao Real, por isso até a melhor equipa de sempre tem lmites...
Portanto, o Real nao precisa de jogar enfiado na toca para vencer. Alias, no Real nao se pode jogar assim nem tem como o fazer, pois o plantel é, maioritariamente, ofensivo.
Abraço, boa continuação de artigos!


De João Perfeito a 8 de Janeiro de 2012 às 23:36
Concordo com o Steve

Deixar pensar jogadores como Xavi, Iniesta e dar espaço atrás para arrancadas e tabelas de Messi (é a morte do artista)...

O Barça não sbae ter uma grande variedade de passes médios na mesma jogada e os jogadores não trocam de forma tão rápida de posição em zonas recuadas como o Real...

Estes resultados do Barça a mim nada me surpreendem, sempre achei que esta equipa deveria tentar jogar de maneira diferente e ter um maneira de jogar mais versátil... Na realidade este Barça está mais que estudado pelos adversários e a prova disso é o fraquíssimo rendimento da equipa fora de portas...

Paradoxalmente vai inovando, mas sempre no tal esquema, e desenvolve melhor certas jogadas e por isso goleia mais.

Esta Barça cada vez dará mais goleadas e cada vez perderá mais pontos...

Penso que isto não é o pradoxal, é apenas a constatação do actual paradigma que se vive no futebol.


De nunotexas a 8 de Janeiro de 2012 às 23:55
Eu não vi hoje o jogo com o Espanhol, mas o objectivo de jogar mais defensivo com o Pepe no meio campo, é dar menos bola aos meio-campistas catalães ou tornar essa posse de bole inconsequente, jogando com um criativo com pouca capacidade de pressão o Real passa os jogos a correr atrás da bola.E depois acontecem resultados como 5-0 ou 3-1 em casa


De João Perfeito a 9 de Janeiro de 2012 às 00:23
Lá está porque Pepe interpreta bem a casa táctica e não simplesmente junta-se aos centrais... Mas o Real não desce completamente a sua linha defensiva.

Mas nos jogos da Supertaça a diferença foi nula, na primeira mão o Real esteve muito bem na criação das oportunidades e jogou sem Pepe a trinco.

Uma coisa é certa, com ou sem Pepe a trinco tem de pressionar o meio-cmapo catalão...


De nunotexas a 10 de Janeiro de 2012 às 00:04
Mas eu não falei do Real descer completamente a linha defensiva, disse que tinha de jogar mais defensivo e a partir do momento em que tira um criativo para colocar um trinco isso é algo óbvio.

Quanto ás partidas da supertaça são partidas diferentes pois as duas equipas (principalmente o Barça) ainda não estavam no melhor quer a nível físico quer a nível táctico e portanto independentemente da equipa que ganhasse iam ser jogos muito diferentes dos do resto da época.


Comentar post

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010