Quarta-feira, 4 de Abril de 2012
Steve Field

O novo Sporting

 

Com a saída de Domingos Paciência, para mim um dos melhores treinadores portugueses e será, provavelmente, futuro campeão no Dragão, e com a entrada de Ricardo Sá Pinto, o Sporting pouco ou nada alterou em termos de resultados: continua no quinto posto, mas desta feita a um ponto do Marítimo, ao passo que com Domingos a equipa estava em igualdade pontual; na Liga Europa, o clube está à beira de se qualificar para as meias-finais, tendo o feito de eliminar o todo poderoso Manchester City. Não digo que Sá Pinto não tenha mérito, porque tem, mas reafirmo que o Sporting, em termos de resultados, pouco ou nada mudou.

Após a derrota em Setúbal na 21ª jornada, José Mota, técnico do Setúbal, afirmou que o novo Sporting era inferior ao de Domingos. Apesar de fã do ex-técnico bracarense, não estou totalmente de acordo com José Mota. Acredito que Sá Pinto não vá ter uma grande carreira de treinador, mas este novo Sporting é, no geral, superior, não só nos tão banalizados termos vontade, raça, crer (a equipa tem, de facto, mais alegria a jogar), mas sobretudo nos princípios de jogo. Enquanto o Sporting de Domingos, bem ao estilo do seu técnico, privilegiava a organização defensiva, com transições rápidas para o ataque, o Sporting de Sá Pinto privilegia o contacto com a bola, a transição mais lenta e apoiada, tal como o fazia nos juniores, como já o referi neste espaço.

Apesar desta diferença de princípios, vemos que o onze base é quase o mesmo. O que mudou então? Matias Fernandez. Com Sá Pinto, a equipa cresce em redor do chileno, ele é essencial para a organização ofensiva da equipa, sempre apoiada e em posse, e é essencial para o jogo entre-linhas, que é muito importante nas transições mais lentas e organizadas. Com Domingos, Matias tinha pouco espaço, pois numa equipa essencialmente de transições rapidas, com um meio-campo mais coeso e menos criativo, os tradicionais "nº10" tendem a desaparecer, já que o objectivo é chegar à baliza contrária o mais rápido possível para apanhar o adversário descompensado, com pouca posse de bola, pelo que o fundamental são as bolas em profundidade colocadas pelos médios e não o jogo apoiado.

Assim, Matias Fernandez tem revelado todo o seu (enorme) potencial com Sá Pinto. Pelo contrário, num onze base tipo, Elias ou Schaars serão relegados para o banco neste novo Sporting. Filosofias diferentes, por norma, pedem jogadores diferentes, como prova esta mudança de técnicos em Alvalade.



publicado por Steve Grácio às 13:37
link do post | comentar

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010