Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012
Porque a vida também é feita a correr...

APOEL- O expoente máximo actual da colectivização do futebol (século XXI)

 

APOEL, equipa sediada em Nicósia, Chipre venceu o grupo G da Liga dos Campeões. No presente grupo figuravam 3 dos últimos 4 vencedores da Liga Europa: Zenit, Schaktar e FC Porto.

Na antecâmara de mais uma edição da liga milionária o conjunto cipriota ao saber que encaixava perante 3 das melhores equipas da segunda linha europeia assumia amplos receios da sua prestação. A humildade e o reconhecimento das suas limitações perspectivavam que o conjunto cipriota assumisse apenas como objectivo principal deixar a marca da evolução do futebol no seu país, visto que superar algum destes gigantes parecia uma utopia. Assim o 4º lugar parecia uma inevitabilidade.

6 jornadas depois, os cipriotas venceram o grupo atirando para a Liga Europa o todo-poderoso Futebol Clube do Porto e deixando os 12º do Ranking europeu, Schaktar Donest a verem as competições europeias pela televisão.

6 jornadas depois mantendo o discurso cauteloso, o reconhecimento das limitações e uma ambição prudente o APOEL continua sem pressão a perfumar a Champions com o seu futebol…

No fundo, o APOEL não é mais que o triunfo da colectivização do futebol actual.

Assente numa forte estrutura directiva e organizacional o APOEL é a principal marca do crescimento do futebol cipriota. Numa espécie de aprendizagem com a sua vizinha Grécia, pode-se dizer que o jogador cipriota tem crescimento de forma vertiginosa nos últimos anos. A cultura táctica que têm, a solidariedade com os companheiros e as rápidas transições atacantes para o espaço vazio são apanágios desta evolução. Ainda sem a técnica e agilidade dos vizinhos soviéticos o jogador cipriota olha sempre mais para o lado do que para si próprio, a progressão com bola é nula, a progressão sem bola é fora-de-série.

Depois aproveita os restos… O resto de jogadores que não figuram no campeonato nacional: Hélio Pinto, Nuno Morais e Paulo Jorge. O resto de brasileiros desconhecidos…

A qualidade individual de cada jogador está longe de ser estratosférica. A capacidade que cada elemento tem para progredir com a bola, rematar e fazer um passe fantástico é muito pouca…

Contudo a eficácia da equipa não prima no mesmo diapasão. Assente numa excelente estrutura defensiva médio-pressionate, o APOEL consegue asfixiar a zona da bola, impedindo passes diagonais para o meio, verticalidades laterais perigosas e uma largura fluente perto da sua área. Obriga o adversário a alargar o seu jogo, mas sempre metendo a bola para trás e recuando, jogando num ritmo baixo. Apesar da pressão não ser individualmente asfixiante, até porque isso provocaria imensos espaços nas suas costas condiciona sempre o jogo do adversário. A elevada capacidade física e o sentido posicional são outras premissas que permitem com que a regularidade seja também um apanágio da prestação defensiva da equipa, não permitindo desequilibrar-se ao longo dos 90 minutos.

Ofensivamente, fruto do seu desenho táctico defensivo é uma equipa talhada para transições rápidas. Não defendendo num bloco amplamente horizontal, consegue facilmente no momento pós recuperação ter simultaneamente linhas de passe curtas e linhas de passe médios para as alas. Isto permite à equipa raramente perder a bola após o ganho e rapidamente soltar a bola em espaços vazios nas alas. Este movimento táctico não acaba aqui à espera da explosão dos alas. Os alas tem sempre tendência para ou flectirem ligeiramente para o meio, ou fazerem o movimento vertical longe da linha lateral, permitindo a um colega comer esse espaço e fazer dois para um na lateral. No fundo apesar de existir pouca progressão individual, a bola está sempre a rolar, a dois/três toques, o espaço lateral e central está sempre a ser privilegiado de forma alternada, conseguindo numa primeira fase incisão/rapidez/cultura de desmarcação e numa segunda largura/jogo interior/superioridade numérica. Fundamentalmente aquilo que distingue o APOEL dos seus adversários é a sua inteligência. A forma como defensivamente se organiza, interpretando o espaço/bola numa equação resolvida com a maior rapidez. A forma como se desmonta para o ataque, interpretando o espaço vazio e a pouca qualidade de transicção do adversário (que se vê obrigado a atacar com muitos homens). A capacidade que tem para soltar a bola no momento exacto, fazendo com que ao adversário falhe sempre o timing de pressão.

A incapacidade individual permite à equipa ter um leque de soluções de passe mais variado, em função da desmarcação e não da qualidade individual. Permite à equipa nunca se agarrar à bola e nunca deixar que um jogador fique desacompanhado.

Seja a defender ou atacar esta equipa pensa primeiro que o adversário. Adivinhando os seus movimentos ofensivos e fazendo um quadrado defensivo que tira duas/três linhas de passe, percebendo o espaço vazio para colocar a bola e posteriormente movimentar-se para ter “uma profundidade colectiva”.

Jogando nas costas do adversário, obrigando-o a perder bolas…

Este APOEL é um dos triunfos do futebol século XXI. Enquanto jogo colectivo, em que o todo é mais que a soma das partes, enquanto reconhecimento das limitações individuais e através disso produzir uma colectânea de jogadas sincronizadas fantásticas, enquanto jogo rápido e solto, fazendo a bola correr em vez dos jogadores, enquanto movimento de aproximação ao portador da bola.

Concluindo a inteligência, perspicácia, táctica, enquadramento das estratégias do adversário, sincronização, movimento sem bola, rapidez de recepção e execução são características do futebol moderno repercutidas da evolução do futebol enquanto jogo. Da forma como a sua complexidade aumenta e obriga as equipas a redimensionarem as suas características e a jogarem como tal produzindo uma identidade colectiva e um pedigree táctico altamente capacitado.

A finta, a técnica, a agilidade, o remate explosivo antes de serem entendidos como momentos individuais precisam de ser encaixados nestes novos conceitos emergentes do futebol actual…

Por isso mais que a organização, a chave do sucesso da APOEL é o seu respeito pela concepção actual de jogo de futebol.

 Fazendo da inteligência, seriedade e compromisso identitário os seus principais ingredientes para toda esta fascinante Odisseia. Mais que respeitar o adversário, o APOEL respeita-se primeiro a si próprio percebendo o que é capaz de fazer ou não no jogo, deixando no jogo a sua identidade e não sabendo jogar doutra forma. Por enquanto continua a dar resultado. Será que esta consistência colectiva tem telhados de vidro…? Não estará a dar o futebol cipriota um passo maior que a perna? Os próximos dois capítulos certamente nos ajudaram a ter uma ideia mais exacta e conclusiva.



publicado por João Perfeito às 22:51
link do post | comentar

pesquisar neste blog
 
Equipa Minuto Zero'
Links
Também Tu Podes Participar!

Participa na Equipa Minuto Zero'

subscrever feeds
Arquivo

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010